fbpx

Tel.: (21) 3619-6300 / (21) 99973-6300

Doenças Dermatológicas

 

Buloses

As doenças bolhosas são dermatoses nas quais as vesículas e bolhas constituem a manifestação cutânea principal do processo patogênico.

Conheça mais
Dermatite Atópica

É uma doença crônica, não contagiosa com períodos de crises e acalmia. Pode ser caracterizada pela inflamação da pele, associada a muita coceira. Pode afetar tanto crianças como adultos e estar ou não associada a rinite e asma. Não há um tipo de lesão definida e, com isso, pode se manifestar por vermelhidão nas dobras da pele, fissuras nas mãos e pés, descamação da pele e principalmente, pelo ressecamento. O diagnóstico é feito clinicamente pelo dermatologista com base em histórico do paciente, seus hábitos de vida e exame clinico minuncioso. O tratamento é feito por meio de medicamentos tópicos, via oral ou injeções, além de mudanças de habito de vida e uso de cremes e emolientes específicos.

Conheça mais
Dermatomiosite

A Dermatomiosite é uma doença crônica, subaguda ou aguda, caracterizada por uma inflamação da pele e da musculatura estriada. Em adultos, apresenta pico de incidência entre 40 e 50 anos, e é mais comum em mulheres (2:1), sendo a mais rara das colagenoses. É considerada uma desordem mediada pela resposta humoral e está associada a uma vasculopatia com depósito de complemento.

Conheça mais
Esclerodermia/Morfea

A esclerodermia é uma doença autoimune do tecido conjuntivo que culmina com fibrose e esclerose da pele, vasos sanguíneos e órgãos internos. A morfea é um tipo de esclerodermia localizada limitada à pele, tecido subcutâneo, osso subjacente e, raramente, quando presente na face e cabeça, sistema nervoso central.  A incidência da doença é de 27 casos novos por 1 milhão de pessoas ao ano. Acomete preferencialmente pacientes do sexo feminino, caucasianos, ocorrendo com maior frequência entre a 2ª e 5ª décadas de vida.

A morfea apresenta diversas formas clínicas: em placa, linear, golpe de sabre (facial), disseminada, queloidiana, dentre outras.

O diagnóstico é realizado através de exame clínico específico, anamnese detalhada e exame histopatológico da pele obtido por biopsia cutânea. É importante a avaliação sistêmica do paciente para excluir a presença de esclerodermia sistêmica em alguns casos.

O tratamento vai depender do local, da quantidade e da extensão das lesões cutâneas. Outro fator determinante na escolha terapêutica é o tempo de evolução da doença e a presença ou não de manifestações sistêmicas.

Dentre as opções de tratamento, são utilizados: cremes (corticoide, calcipotriol, imiquimod), pomadas (tacrolimus ou pimecrolimus), corticoides orais, metotrexato oral, fototerapia (NB-UVB e PUVA).

Hidrosadenite Supurativa

A doença Hidrosadenite Supurativa atualmente apresenta uma definição mais ampla do que era conhecida. Antigamente, era definida por uma simples inflamação das glândulas (apocrinas) associada a uma infecção local.

O conceito foi ampliado para uma possível doença auto-inflamatória, onde a predisposição genética, associada a fatores desencadeantes (tabagismo, obesidade, infecção, trauma local, etc.), acarretam a produção de citocinas (TNF, IL-1, IL-10, IL-17), que no final levam a um processo inflamatório local e até mesmo sistêmico.

Desta forma, o acompanhamento deve ser orientado por um dermatologista com experiência clínica-cirúrgica, além de um suporte multidisciplinar (nutricionista, psicólogo, cirurgião plástico, proctologista e ginecologista).

O tratamento se baseia em:

  • Controle dos fatores de risco;
  • Acompanhamento das comorbidades: hipertensão, diabetes, depressão, alteração de colesterol;
  • Controle do processo inflamatório;
  • Preparo para realização de cirurgia local.
Conheça mais
Lúpus Eritematoso Cutâneo

O lúpus eritematoso é uma doença auto-imune do tecido conjuntivo que pode estar limitado a pele ou se apresentar como uma doença multissistêmicas. As lesões cutâneas do lúpus eritematoso são polimorfas e podem ser específicas ou inespecíficas, sendo o achado cutâneo muito importante para diagnóstico.

Dentre as lesões cutâneas as mais comuns são as lesões de lúpus discoide no couro cabeludo, pavilhão auricular, face, braços e tronco. Entretanto, existem diversas outras apresentações dermatológicas no lúpus eritematoso agudo, subagudo e crônico.

O diagnóstico é baseado em exame clínico, laboratorial e histopatológico (quando presente lesões cutâneas).

Com relação ao tratamento, é essencial a orientação correta ao paciente sobre os fatores desencadeantes e exacerbadores de sua doença. Utilizar filtro solar de forma adequada e abandonar o vício do tabagismo são medidas essenciais para o sucesso do tratamento, independente do tipo de lúpus.

Entre as opções terapêuticas: cremes de corticoides, pomada de tacrolimuos ou pimecrolimus, uso de corticoide oral, antimalárico, metotrexato, azatioprina, entre outros. E, atualmente, o uso de medicamento biológico: Belimumabe.

Psoríase

A psoríase é uma doença de pele muito frequente, de causa desconhecida e comum em pessoas da mesma família. Não é uma doença contagiosa, e na maioria dos casos se apresentam de forma bastante discretas nos cotovelos, joelhos e couro cabeludo. Em outros casos, pode ser muito grave e atingir grandes regiões do corpo. A doença é caracterizada pelo aparecimento de manchas ou placas vermelhas no corpo com descamação intensa e aspecto espesso da pele. O dermatologista é capaz de fazer o diagnóstico de psoríase examinando a pele, as unhas e o couro cabeludo do paciente. Se existe dúvida no diagnóstico, pode ser feita uma biópsia de pele. O tratamento vai depender da idade do paciente,  no estilo de vida do paciente e na severidade do quadro de psoríase. Pode ser feito através de pomadas, fototerapia, medicações de tomar ou injetáveis.

Conheça mais
Urticária

A urticária é uma doença comum, facilmente reconhecida pelos médicos e inclusive pacientes. Entretanto, sua apresentação clínica é muito diversificada, com múltiplas possíveis causas e ainda com poucas opções terapêuticas. Tanto o angioedema como a urticária acometem entre 10 e 20% das pessoas em alguma fase da vida.

Conheça mais
Vitiligo

Vitiligo é uma doença muito comum, acometendo quase 1% da população mundial, entre homens e mulheres de todas as raças. Aproximadamente 25% dos pacientes têm até 10 anos de idade no início da doença. Entre aqueles pacientes predispostos, 95% dos pacientes apresentam vitiligo até os 40 anos de idade.

Conheça mais
Farmacodermia

Reação cutânea adversa a drogas e medicamento, levando a um efeito indesejado na pele, mucosas, cabelos e unhas, na sua estrutura ou função. É frequente e pode ocorrer por: excesso da dose do medicamento, efeito colateral, reação individual diferente do efeito terapêutico (idiosincrasia), por interação com outros medicamentos em uso ou, ainda, por reação alérgica.

Conheça mais

 

Para ver mais doenças, clique aqui.